Entenda como funciona o bioestimulador corporal 

A flacidez corporal ocorre pela perda progressiva de colágeno e elastina, proteínas de função estrutural que conferem sustentação, firmeza e elasticidade aos tecidos. Pode acontecer por diferentes motivos, entre eles pela perda natural de colágeno no processo de envelhecimento fisiológico. Nesse caso, a degradação das fibras colágenas que sustentam a pele passa a ser mais intensa do que a sua produção, em geral por volta dos 30 anos de idade. A perda abrupta e excessiva de peso, gravidez, pós-parto, alterações hormonais e genéticas, além de exposição solar excessiva também são causas de flacidez.

Para reverter esse problema, é possível realizar um tratamento com bioestimuladores de colágeno, que são substâncias biocompatíveis e biorreabsorvíveis. O objetivo do bioestimulador é produzir uma reação inflamatória controlada capaz de estimular o aumento da produção das fibras de colágeno. As substâncias mais utilizadas para esse procedimento são o ácido polilático e a hidroxiapatita de cálcio, que atuam de dentro para fora, estimulando a produção de colágeno e melhorando a flacidez da pele. Em geral, são necessárias 3 sessões de tratamento, com intervalos mensais, para obtermos os melhores resultados, mas essa abordagem pode variar de acordo com cada caso.

O tratamento é injetável e pode ser realizado em qualquer região corporal acometida pela flacidez, principalmente no abdômen, colo, braços, parte interna de coxas, mãos e glúteo. Além de melhorar a flacidez e a firmeza da pele, contribui para redefinir o contorno do corpo, e o estímulo da produção de colágeno deixa a pele com um aspecto mais rejuvenescido. Pode ser utilizada ainda no tratamento de celulite, pois preenche as eventuais depressões, nivela a pele e melhora visivelmente a espessura e aparência da região tratada.